Spotlight

“É fácil esquecer que passamos a maior parte do tempo tropeçando no escuro. Uma hora a luz se acende e sobra uma boa porção de culpa para distribuir”.

Marty Baron (Liev Schreiber) em Spotlight, um filme sobre jornalismo investigativo e pedofilia na Igreja Católica. Fundamental. 

Os demais

O filósofo é um esfarrapado, que ostenta com empáfia seus insuficientes cálculos linguísticos. O artista é um filósofo desesperado. Os demais, vivem.

Metafísica do Amor

Li a Metafísica do Amor, de Schopenhauer – o carrasco do lirismo. Percebam:

“O fato de um homem estar enamorado produz frequentemente fenômenos cômicos, e às vezes trágicos; em ambos os casos porque ele, possuído pelo espírito da espécie, é agora dominado por este e não mais se pertence: assim, sua ação é inadequada à do indivíduo”.

O “espírito da espécie”, diz, é apenas a responsabilidade que temos com a constituição da geração vindoura.

Amor ou ódio?

“Um simples desejo, considerado isoladamente, não é melhor nem pior do que qualquer outro; mas um grupo de desejos será melhor do que um outro se todos os desejos que o compõem se realizarem simultaneamente, ao passo que, no outro grupo, forem incompatíveis entre si. Eis por que o amor é melhor que o ódio” – Bertrand Russell